11 de ago de 2012

On The Road, por favor!


Por que traduzir? Enfim, até quarta-feira havia visto um filme inteiro de Walter Salles, Central do Brasil. Cheio de clichês e bom mocismo. Totalmente perdoável para a época que era a retomada do cinema brasileiro. Depois vi um pedacinho do Diários da Motocicleta na televisão. Resolvi jogar Sudoku Killer e ver o filme ao mesmo tempo quando percebi um Che retratado sem um só traço de loucura, quase um franciscano. Agora me deparo com Na Estrada. É isso mesmo, Na Estrada? Enfim, falta muita coisa no filme e não é por causa do tempo, pois é longuíssimo. Tudo o que Salles conseguiu ver ou mostrar foi o óbvio, depois de muita repressão vem muita liberação e ponto. Não conseguiu se aprofundar nos personagens, muitos offs e diálogos quando bastaria um olhar do ator, uma cumplicidade com o telespectador para que tudo fosse dito. Falta sutileza.
Quando Dean Moriarty anda com seus amigos pelas ruas de Denver e vê um mendigo, que acha ser o pai, bastava isso, ele ver, o telespectador ver e nada mais. Não, ele teve de fazer o ator falar: “- Achei que era meu pai”. Fico com tanta raiva quando o diretor toma-me por burra! Deixe-me viajar, poooxa! Não sei se foi a partir daí, mas ele perdeu a minha atenção e tudo que consegui ver foram cenas e mais cenas de sexo superbem filmadas. Foi tudo que Salles entendeu? Ou foi tudo que consegui ver no filme?
Os filmes dele deixam a desejar, a mim pelo menos, mas não por falta de ator. Todos incríveis! Por exemplo, Gael García Bernal, o Che de Diários da Motocicleta, já fez um personagem, não me recordo em que filme, onde esse pequeno traço de loucura foi explorado e ele respondeu. Os atores de On The Road são fantásticos, falta é roteiro e direção. Kerouac morreu de cirrose aos 47 anos, mas o Sal Paradise do filme é mais um franciscano para o rol de franciscanos do franciscano Walter Salles. O que Salles espera filmando Che e Kerouac? Deixar de ser tão certinho? Só se nascer de novo e com outro rosto.
Espero, um dia, ver uma refilmagem feita por um bom cineasta inglês. Gostaria de ter visto On The Road filmado por Fernando Meirelles. Agora que o mau está feito, o que eu quero ver mesmo é um Tropa de Elite 3 com o Capitão Nascimento revelando a realidade das UPPs. Mas só vale se for antes da Copa de 2014! Tá bom?